quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

O CIRCO NÃO PODE PARAR!!!

"Os dias parecem séculos
Quando a gente anda em círculos
Seguindo ideais ridículos
De querer, lutar e poder"

 




Ao me deparar com as surreais e chocantes fotos acima, que mostram o juiz (e herói) da operação lava-a-jato em um evento promovido pela "revista" IstoÉ em São Paulo no dia 06/12/2016 confraternizando alegremente e brindando com políticos tucanos citados nas delações premiadas da sua operação, o primeiro pensamento que tive foi:

- Não pode ser verdade, essas fotos devem ter sido editadas e largadas na internet por algum lunático!!!

Porém, ao verificar que as fotos eram autenticas, imediatamente lembrei de um texto que escrevi há um ano e que continua absolutamente atual.

Gostaria de solicitar aos amigos que leiam com atenção e, se alguém souber de alguma resposta para as perguntas que fiz há no início do texto, peço a gentileza de me comunicar. Acho que TODAS elas continuam, depois de um ano, sem resposta. Segue abaixo o link do texto:

O GRANDE CIRCO MIDIÁTICO E A CONTAMINAÇÃO DOS PODERES DA república.






segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Gestão pífia e a máfia do futebol


Vou escrever sobre um assunto recorrente aqui neste espaço: monopólio de mídia no Brasil. Dessa vez, escreverei especificamente em relação às transmissões do futebol brasileiro na televisão e especialmente aos torcedores do Internacional. Os torcedores do Inter precisam saber o tipo de negócios e contratos que estão sendo assinados no Beira-Rio e a direção do Internacional precisa responder algumas perguntas que, pelo jeito, muitas poucas pessoas sabem a resposta.

Antes de chegar no ponto que quero, vou relembrar uma história que aconteceu em 2005, a qual a maioria dos colorados lembra bem: 

O Internacional liderava o Campeonato Brasileiro quando surgiram denúncias sobre um árbitro que supostamente havia participado de um esquema de manipulação de jogos. Esse árbitro havia apitado 13 jogos do campeonato. O STJD (tribunal de justiça desportiva) informou que investigaria o caso, analisaria as imagens para verificar se houve alguma interferência e tomaria as providências legais cabíveis.

A Rede Globo imediatamente tomou partido e tomou a frente da situação, pressionando em todos os seus programas esportivos pela anulação das 13 partidas, uma vez que essa anulação beneficiaria o Corinthians, clube com o qual a TV Globo tem um retorno comercial muito maior em relação ao Internacional. De repente, o STJD mudou radicalmente de opinião de uma hora para outra e, através de um ato do seu presidente (um desembargador investigo ilegalmente no cargo), sem qualquer análise ou investigação e, muito pior, sem dar qualquer chance de defesa aos interessados, anulou todos os jogos que o árbitro em questão havia apitado, em um ato absolutamente peculiar, jamais visto na história do esporte profissional no planeta. O Corinthians passou, com uma “canetada”, a ser o líder do campeonato e o Internacional passou a ser o terceiro colocado.

Na ocasião, a torcida do Inter protestou muito, mas foi boicotada pela TV Globo. Havia, em um jogo contra o Palmeiras no Beira-Rio, 30 mil colorados usando nariz de palhaço e uma bandeira de 150 metros quadrados solicitando socorro à FIFA. A TV Globo transmitiu o jogo para o Brasil inteiro sem filmar a torcida do Inter uma única vez, como também não citaram os protestos em nenhum dos seus jornais esportivos fora do Rio Grande do Sul. Esse é o grande problema de uma mídia monopolizada. A informação passada às pessoas atende apenas aos interesses dos donos do conglomerado gigantesco de comunicação.

No final da história, os jogos anulados foram repetidos e o Corinthians ganhou 4 pontos que havia perdido, ganhando o título ao final do Campeonato por 3 pontos de vantagem em relação ao Inter. Cabe citar ainda o confronto direto entre as duas equipes, quando o árbitro Márcio Rezende de Freitas não deu um pênalti claro para o Internacional e ainda expulsou o jogador que sofreu o pênalti. No ano seguinte ele se aposentou e foi contratado para ser comentarista de arbitragem. Adivinhem em que canal?

Mais tarde, a justiça comum analisou o caso, não encontrou qualquer indício de manipulação nos jogos e absolveu o árbitro que supostamente havia manipulado resultados. Mas aí o assunto já era passado. A Globo já havia conseguido direcionar o Campeonato Brasileiro de 2005 para o Corinthians. Assunto encerrado.

Mas citei essa história por uma questão muito importante para chegar ao ponto que quero: Na ocasião, o atual Presidente do Internacional, Vitorio Piffero, era o vice de futebol.

Por que o Internacional então não rescindiu o contrato de transmissão de seus jogos com a TV Globo?

Bom, aqui no Brasil há um detalhe curioso, toda a legislação sobre qualquer tema que interesse à Rede Globo, beneficia a Rede Globo. No caso das transmissões esportivas, a lei brasileira é um convite ao monopólio. Diferentemente de vários países desenvolvidos, aqui, para transmitir uma partida de futebol, a emissora deve ter contrato com os dois clubes, e não só com o clube mandante do jogo. Bom, então a Globo, usando seu poder, fecha com os dois clubes de maior torcida do Brasil deixando todos os outros reféns da emissora. Simples assim. 

Cabe ressaltar que, em 2011, o Clube dos 13 (associação representativa dos grandes clubes do Brasil) resolveu finalmente fazer uma licitação ABERTA, com regras claras, como é em TODOS os países do Mundo, para definir quem transmitiria o Campeonato Brasileiro em TV aberta. E...  a associação simplesmente se desmantelou, misteriosamente. Do dia para noite, vários clubes se desassociaram do Clube dos 13 e as transmissões continuaram sendo feitas como sempre foram, com contratos de exclusividade com a TV Globo, sem concorrência.

O tempo passou e chegou ao Brasil uma empresa que resolveu, ao menos na TV fechada, enfrentar esse monopólio e negociar transmissão com alguns times da primeira divisão do Campeonato Brasileiro. Considerando a história do Internacional que contei acima e considerando quem é  o atual presidente, imaginei que era obrigação do Inter estar na vanguarda desse movimento e fechar o contrato com o canal "Esporte Interativo". Foi exatamente o que aconteceu, mas o Internacional fechou apenas por dois anos (2019 e 2020), sob o argumento correto que, de acordo com o estatuto do clube,  para contratos tão longos havia a necessidade de deliberação e aprovação do Conselho Deliberativo.

Passam-se alguns dias e eis que, surpreendendo a todos, a direção do Internacional subitamente muda suas convicções e fecha um contrato com a Rede Globo a partir de 2021, sem apresentação e discussão no Conselho Deliberativo, e pior que isso, a reunião que estava marcada no Conselho Deliberativo para deliberar sobre o tema teve a sua pauta altarada a, ao invés de deliberação, o presidente do Conselho modificou a pauta para "aprovação" do contrato, não dando tempo para qualquer questionamento dos Conselheiros sobre o tema. 

Informo aos torcedores que alguns grupos de conselheiros estão marcando uma reunião extraordinária do Conselho para questionar e deliberar sobre esse contrato, já que, na prática, o Conselho Deliberativo foi atropelado pela direção, deixando muitas dúvidas e perguntas no ar.

Vou fazer um parêntesis no texto para lembrar que, no Brasil, sempre que um assunto envolve direitos de transmissão esportiva e a Rede Globo, ficam muitas perguntas no ar sem respostas:

- Por que a FIFA faz licitação aberta em todo o planeta para transmissão dos seus eventos, mas aqui no Brasil é sempre entregue de bandeja para a Rede Globo, mesmo essa oferecendo valores menores que a concorrência?

- Por onde anda o executivo Marcelo Campos Pinto, que cuidava dos contratos de transmissão da TV Globo e que depois do FBI deflagrar a operação contra os dirigentes da  FIFA foi mandado embora e "riscado" do mapa?

- Por que todas as tentativas de CPIs do futebol brasileiro acabam se desmontando sem conclusões ou explicações?

- Por que na atual CPI do futebol, que acontece no Senado, a CBF relutou tanto para entregar à comissão os seus contratos com a TV Globo e conseguiu na justiça o direito de não entregá-los? O que escondem esses contratos?

- Por que, antes do FBI desencadear a operação contra dirigentes das Federações, a Globo pagava menos para transmitir a Libertadores da América do que pagava pelo Campeonato Paulista, por exemplo? Como essa conta era possível?

- Por que a TV Globo sempre conseguiu seus contratos de transmissão no Brasil sem licitação aberta e, em muitas ocasiões, oferecendo menos dinheiro que a concorrência?

Enfim, eu poderia ficar aqui horas escrevendo perguntas para as quais não tenho resposta sobre esse tema, mas não é esse o objetivo do texto. O objetivo do texto é questionar a atual direção do Internacional e, para esses questionamentos, sinceramente espero respostas e tenho certeza de que toda a torcida do Internacional as quer:

- Por que um clube que propaganda aos quatro ventos a sua "transparência" nas contas precisa fechar um contrato de transmissão usando os métodos que citei, escondendo os dados até de seu Conselho Deliberativo?

- Se antes o estatuto do clube impedia a direção de fechar contrato de transmissão para 2021 em diante sem aval do Conselho Deliberativo, por que agora foi possível? O que mudou nesse tempo?

- Será que o Sr. Vitorio Píffero foi mesmo vítima do poder da Rede Globo ou é apenas mais um cúmplice desse sistema?

Com a palavra, a direção do Internacional...

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Receita do dia: GOLPE À MODA DA CASA


Cansei de falar sobre política, esse assunto gera muitas discórdias. Então, vou abrir espaço aqui no blog para falar um pouco de culinária. 


Vou apresentar uma receita de um prato típico da América Latina, que vem sendo aperfeiçoado ao longo do tempo, mas cujo resultado final é basicamente sempre o mesmo. Esse prato é bastante tradicional e é servido há muitos e muitos anos no continente.

A receita abaixo é da versão moderna do “golpe à moda da casa”:

 
Esse prato é feito a base de um fruto chamado “não aceitação da democracia”, originário de uma árvore chamada “presunção de superioridade em relação a outros seres humanos”.

Para fazer o prato, pegue o fruto e misture com uma dose de “vingança do presidente absurdamente corrupto da Câmara” e deixe cozinhar em banho maria por alguns meses, enquanto vai adicionando os seguintes ingredientes:

- O congresso mais corrupto e conservador de toda a história da República;
- Uma mídia concentrada, manipuladora, assustadoramente tendenciosa e extremamente desonesta;
- Uma oligarquia egoísta, gananciosa e hipócrita;
- Uma teia de organizações investigativas e jurídicas totalmente direcionadas e com fins políticos;
- Alguns quilos de mudanças repentinas de conceitos e entendimentos de órgãos de controle;
- Várias doses de mudanças repentinas em regras e prazos de votações na Câmara;
- Uma dose de complô para encerrar investigações judiciais e salvar o mandato do presidente da câmara;
- Total boicote a qualquer medida positiva de governo;
- Total desprezo pela democracia;
- E o mais importante dos ingredientes: o “jeitinho brasileiro”. Esse ingrediente é feito com a junção do “total desrespeito a jurisprudências e leis que impeçam que se chegue ao objetivo final” e de “interpretações fantasiosas e inéditas às leis e à Constituição” (atenção, esses dois últimos são muito parecidos, mas são realmente necessários os dois ingredientes para que o prato não desande).

Adicione a gosto altas doses de machismo, ódio, preconceito, manipulação, desinformação, complexo de vira-latas e mais algumas toneladas de hipocrisia.

Deixe cozinhar na panela, em fogo muito alto, por cerca de 1 ano.

Atenção: nessa fase pode parecer que o prato não está bonito, mas a ideia desse prato é essa mesma, ou seja, quanto pior, melhor.

Para estabilizar a mistura e não estragar o prato, devemos colocar “aumentos salariais generosos” e “vergonhosa conivência do Supremo ”. Esses dois ingredientes geralmente são adquiridos juntos, na mesma embalagem.

Pronto. Desligue o fogo e o prato está pronto para servir, mas muita atenção, esse prato nunca pode ser servido sozinho, é sempre acompanhado de “ataque aos direitos trabalhistas”, "ataque à Previdência",  “fome”, “miséria”, “injustiça social”,  “sucateamento da saúde e educação”, “desmonte da máquina pública”, “desamparo à população de baixa renda”, “intervenção no judiciário”, “impunidade”, “entrega do patrimônio nacional”, “subserviência”, “fim da soberania nacional”, “imensas reservas para superavit primário agradando aos velhos especuladores abutres” e, lógico, muita pizza.

Detalhes importantes:
Eu utilizei a nomenclatura internacional para o prato, que é conhecido dessa forma em todos os locais civilizados do planeta, sem exceção. Entretanto, especificamente aqui no Brasil, em alguns locais, como nos jornais e revistas da grande mídia, é apresentado com outro nome.

Outro detalhe importante é que o prato é extremamente amargo para a gigantesca maioria das pessoas, mas, ainda assim, é realmente apreciado por alguns.

BOM APETITE!!!!
____________________________________
 

CHARGE PUBLICADA NO THE NEW YORK TIMES EM 26/08/2016


Karl Marx

A assinatura da farsa: O próprio senado ficou com vergonha de condenar uma pessoa que não cometeu crime e, embora a lei seja muito clara e diz que quem sofre impeachment deve perder os direitos políticos por 8 anos, foi feita uma votação em separado e não foram retirados os direitos políticos da Presidente Dilma.





terça-feira, 28 de junho de 2016

Qual a prioridade? O banqueiro bilionário ou a criança faminta?

Por que existem alguns poucos bilionários no Brasil enquanto muitas outras pessoas passam fome?
Esses bilionários trabalham mais que os demais? Ou são mais inteligentes? Eles merecem suas fortunas? É uma questão de sorte?

Por que existem pessoas que trabalham muito durante toda a sua vida, vários são até considerados bem inteligentes, e mesmo assim não chegam nem perto de se tornarem milionários?

Por que algumas dessas pessoas, mesmo trabalhando muito e sendo capacitadas, vivem em condições precárias de vida?

Por que mendigos morrem de frio em frente a prédios com dezenas de apartamentos desocupados?



Essas perguntas, a princípio, possuem respostas bastante complexas, certo?

Pois é, mas há alguns dias eu estava folheando a revista do CREA/RS, edição de maio/junho de 2016, e me deparei com o seguinte gráfico representativo dos gastos do orçamento público brasileiro:




Só olhando para ele salta aos olhos a maior parte de todas as respostas para as perguntas que fiz acima. É tão flagrante que chega a ser constrangedor.  

Suponha que você fosse eleito para administrar o orçamento público e recebesse a informação que estava faltando dinheiro para os serviços básicos. Suponha ainda que você não tenha nenhuma noção de administração e finanças, e te mostrassem esse gráfico acima. Por onde devemos começar a mexer para ajustar o orçamento? Qual item é o mais crítico?

Uma criança seria capaz de responder facilmente a pergunta, é tão lógico que chega a ser infantil. Mas então por que só ouvimos os nossos governantes e nossos jornais citarem o “rombo” da previdência, o gasto com saúde, educação, programas sociais e quase nunca ouvimos falar em auditoria e renegociação da dívida pública?

Em resumo, praticamente metade de todo o nosso orçamento está indo para as mãos de banqueiros e especuladores financeiros, limpo, “legalmente”, enquanto crianças não têm acesso à educação básica e enquanto cidadãos que trabalharam a vida inteira estão morrendo nas filas de hospitais públicos sem atendimento. Esse tipo de gráfico explica em grande parte porque 0,9% dos brasileiros detêm 60% da riqueza do país. Veja bem: 46% para a tal dívida, enquanto a menos de 4% vai para a saúde e educação e pouco mais de 20% vai para custear a tão “badalada” Previdência Social.

Embora houve várias políticas inclusivas nos últimos anos e houve uma ascensão na renda das classes mais baixas da pirâmide social, nem o Presidente FHC, nem o Presidente Lula e nem a Presidenta Dilma tomaram qualquer atitude ou protagonizaram qualquer política para mexer nos privilégios dos poucos e riquíssimos brasileiros que se beneficiam da dívida pública para enriquecer sem produzir um único pirulito sequer. Nenhum deles jamais pensou em auditar essa grotesca e injusta dívida ou em taxar grandes fortunas. O fato de todos eles terem tido suas campanhas financiadas por grandes bancos e agentes financeiros deve ser pura coincidência.

Com o Sr. Michel Temer e sua “ponte para o futuro” obviamente não preciso nem dizer que não há possibilidade nenhuma de avanço nesse sentido. Os primeiros discursos de seus ministros apontam como ações para resolver o problema do orçamento público a Reforma da Previdência (fazendo novamente o trabalhador assalariado pagar a conta, se possível trabalhando e “contribuindo” até o dia de sua morte) ou então a genial “desvinculação de gastos públicos”, que retira a obrigatoriedade de reservar uma parte do orçamento para um determinado fim, como saúde e educação. Na prática, acabará diminuindo ainda mais os recursos para essas áreas, sucateando ainda mais a saúde e educação públicas, como ilustra bem a reportagem da BBC no link a seguir: http://www.bbc.com/portuguese/brasil/2016/05/160517_desvinculacao_saude_ab.

O fato das grandes empresas de planos de saúde serem também grandes financiadores de campanhas, inclusive os maiores financiadores das últimas campanhas do novo Ministro da Saúde Ricardo Barros, também deve ser pura coincidência.

Mas e nossa imprensa, por que continuam dizendo que a Previdência Social é o grande vilão do orçamento? (Veja você mesmo como o site da Rede Globo trata a questão do que chamam de “rombo” da Previdência: http://g1.globo.com/economia/noticia/2015/05/sem-mudar-fator-previdenciario-deficit-do-inss-ja-iria-r-7-tri-em-2060.html .

Por que as poucas família que controlam toda a nossa mídia (jornais, TVs, rádios e revistas) querem que os assalariados trabalhem até a morte e não discutem com clareza assuntos importantes como auditoria ou renegociação da dívida, ou ainda taxação de grandes fortunas? Por que os especuladores financeiros e donos de bancos continuam comprando seus helicópteros, lanchas e carros de luxo às custas do sangue da grande maioria da população e não há um Globo Repórter especial para denunciar esse escândalo?

Não vou responder a pergunta. Vou apenas citar alguns fatos abaixo e deixar que cada um chegue às próprias conclusões:

- Segundo a Revista Forbes, conforme publicação de 2014, a família Marinho, dona da Rede Globo, é a família mais rica do Brasil, com uma fortuna estimada em quase 30 bilhões de dólares: http://www.valor.com.br/empresas/3547766/familia-marinho-e-mais-rica-do-brasil-diz-forbes .

- Segundo reportagem da Revista Carta Capital, em 2015, mesmo com a crise financeira, o Grupo Globo aumentou seu lucro líquido, saltando para mais de 3 bilhões de reais, e grande parte desse lucro foi conseguido com o “mercado financeiro”, especialmente com a vulnerabilidade do câmbio e com a subida da taxa básica de juros. A reportagem é excelente e recomendo que tirem um tempo para leitura: http://www.cartacapital.com.br/blogs/intervozes/em-meio-a-crise-economica-globo-tem-lucro-liquido-superior-a-r-3-bi .

- A TV Globo vendeu mais de 3 bilhões de reis em cotas comerciais para 2006. Entre os seus principais parceiros estão os Bancos Itaú, Santander e Bradesco: http://propmark.com.br/midia/globo-vende-mais-de-r-3-bilhoes-de-cotas-comerciais-para-2016 .

Enfim, como disse antes, são só fatos. Cada um pode ligá-los como achar mais adequado.

Mas vou terminar o texto exatamente como comecei, com algumas perguntas para reflexão:


Será que a regulação da mídia e o controle de propriedade dos meios de comunicação, evitando o monopólio e a acumulação de meios por uma mesma família, como existe em quase todos os países desenvolvidos do mundo, pode ser considerado censura ou ataque à liberdade de imprensa?

Será que uma mídia mais diversificada e plural, com espaços para organizações públicas e não governamentais, não seria muito bom para o desenvolvimento da nossa sociedade e para uma participação mais ampla da mesma em temas polêmicos e importantes?

Será que são os políticos os únicos culpados pela pobreza, miséria, fome e violência existentes na sociedade brasileira?

Até onde pode chegar a ganância e o egoísmo em um ser humano?

“Quanto vale a vida”?

Até quando usarão a tal “meritocracia” para explicar o inexplicável e para justificar injustiças flagrantes?

A quem interessa que sejamos tão divididos?


_______________________________________________________



Aproveito o espaço para agradecer ao ótimo jornalista esportivo Hiltor Mombach, do Jornal Correio do Povo (o único jornal gaúcho que acredito ainda valer a pena a leitura), por publicar uma pequena mensagem que enviei para ele sobre a falta de público nos nossos estádios de futebol, a qual coloco o link a seguir: http://www.correiodopovo.com.br/blogs/hiltormombach/?p=45866

Dá um bom tema, quem sabe, para um próximo texto.

Quem se interessar por esporte, principalmente sobre o futebol gaúcho, segue o link do blog do Hiltor Mombach: http://www.correiodopovo.com.br/blogs/hiltormombach/








sábado, 21 de maio de 2016

O IMPEACHMENT E O GOL IMPEDIDO

      

Nos últimos dias tem se falado muito no processo de impeachment, alguns definindo o processo como um golpe civil, jurídico e midiático, e outros justificando o processo como um processo legal, previsto na Constituição.

Me dei conta, recentemente, que essa discussão é, muito provavelmente, improdutiva e irrelevante. E vou tentar explicar meu ponto de vista.

É praticamente consenso entre os historiadores e estudiosos políticos, bem como entre praticamente toda a mídia internacional, que pode tomar uma decisão vendo o assunto “de fora”, sem paixões ou interesses, que o impeachment da Presidente Dilma foi realmente um golpe, por uma razão muito simples: a constituição da república, que é a lei maior do país, só admite impeachment em caso do presidente cometer um crime de responsabilidade, o que os acusadores do processo tentam de todas as formas mostrar que ocorreu, usando a lei de responsabilidade fiscal, falando em “conjunto da obra”, mas que na prática mesmo, juridicamente, estão muito longe de conseguir. O argumento utilizado no processo, as chamadas “pedaladas fiscais”, são praticadas há muitos e muitos anos por presidentes e governadores. O professor e historiador Juremir Machado explica em um texto absolutamente simples, intitulado “Franqueza que incomoda”, o motivo desse impeachment ser um golpe, inclusive pelo ponto de vista de jornais como o gigante The New York Times. Recomendo a rápida leitura aqui: http://www.correiodopovo.com.br/blogs/juremirmachado/?p=8633 .

            Até mesmo os próprios defensores do impeachment, ao menos a maioria, que são pessoas com um mínimo de discernimento e conhecimento, sabem que esse processo é ilícito. Praticamente todas as pessoas percebem isso facilmente, ainda mais depois daquele espetáculo grotesco protagonizado pelo Congresso Nacional, onde diversos congressistas, liderados por Eduardo Cunha, a grande maioria atolada em casos de corrupção, justificaram em rede nacional a abertura do processo por seus filhos, por seus maridos corruptos, por seus animais de estimação, mas nada de falar no tal “crime de responsabilidade”. Então por que a discussão sobre o assunto é infrutífera e por que os defensores do impeachment continuam o defendendo?

            Por uma razão muito simples: as pessoas que defendem o processo são as mesmas que se manifestaram nas ruas contra o governo Dilma, as quais, segundo o Datafolha, são, quase na sua totalidade, pessoas que não votaram na candidata que venceu as eleições, ou seja, são pessoas que não consideram que a Presidente Dilma seja a melhor pessoa para estar à frente da nação, então defendem o resultado do impeachment porque atende aos seus interesses e anseios, independentemente do processo ser lícito, independentemente de ser justo e independentemente de atender ou não aos anseios de outras tantas pessoas que votaram na candidata vencedora.

Por incrível que pareça, isso é uma atitude absolutamente normal nos seres humanos, especialmente quando condicionados pelo “senso comum de grupo”, o que vou tentar demonstrar com um exemplo muito claro e corriqueiro na nossa sociedade.

Suponha uma final de campeonato de futebol, onde, no final do jogo, o atacante do time da casa faz um gol em completo impedimento, mas o juiz valida o gol. Os torcedores perceberam o impedimento, a repetição do lance na televisão mostrou o impedimento, mas mesmo assim esses torcedores vibram muito, sem parar, até o final do jogo, quando o time que foi campeão graças a um gol irregular comemora com uma volta olímpica e a torcida delira em um festival de hipocrisia coletiva (do tipo que também já participei, confesso).

Isso acontece porque a humanidade tem muito ainda que evoluir coletivamente, evoluir como sociedade organizada, igualitária, inclusiva, respeitosa. Por isso que existem ainda tantos conflitos violentos, por isso que algumas pessoas têm coragem de esnobar fortunas enquanto tantos milhões de outras pessoas passam fome. Quem sabe em um futuro, provavelmente muito distante, um atacante que sofra um pênalti mal marcado levante, avise ao juiz que não houve o pênalti e seja aplaudido de pé no estádio pela sua própria torcida e por seus companheiros de time. Mas enquanto isso está tão distante, quero deixar um apelo para as pessoas que estão lendo.

Esqueça a Presidente Dilma, esqueça os sucessivos governos do PT e foquem exclusivamente no governo que está começando do Vice-Presidente Temer. Esse governo mostrou já nos primeiros dias, nos depoimentos e ações  dos seus principais personagens, ser um governo excludente, que diminuirá ou retirará todas as poucas políticas voltadas para a população mais pobre, que é a parte da população que mais precisa do governo para sobreviver, e atenderá exclusivamente aos interesses de pouquíssimos brasileiros, os interesses de poucos privilegiados de uma oligarquia muito rica e egoísta, que jamais aceitou dividir um único centavo de sua fortuna em nome de uma sociedade mais justa e com reais oportunidades para todos.

O apelo que eu faço é que todos, mesmo os que não gostam dos governos do PT, não apoiem sob nenhuma hipótese esse novo governo, até porque ESTAMOS TODOS NO MESMO BARCO e essa é a hora de mostrarmos que somos realmente contra a corrupção e não estamos apenas protagonizando uma batalha de egos em um campo de futebol.

Esse governo é formado por pessoas historicamente envolvidas em diversos crimes e em muitos casos de corrupção. Se você realmente abomina a corrupção, não apoie. Mesmo que não queira que a Presidente Dilma e o PT voltem ao poder, ao menos lute contra esse novo governo com a mesma força com que algumas pessoas lutaram contra o governo anterior, lute ao menos para que aconteçam novas eleições, que seria a única forma de termos um governo com um mínimo de legitimidade, um governo que tenha sido eleito pelas pessoas do país, e não por poucos representantes das oligarquias.

E se ainda não está convencido das intenções e dos interesses que norteiam esse novo governo, colocarei abaixo algumas referências de leitura.


Sobre o Vice-Presidente Michel Temer:


Michel Temer foi informante dos Estados Unidos (Fonte: Paulo Henrique Amorim):
http://www.conversaafiada.com.br/economia/wikileaks-temer-foi-informante-da-embaixada-americana


Sobre os interesses e história de vida de sua equipe de Governo e a forte influência de Eduardo Cunha no Governo:


Os homens de Cunha no Governo Temer (fonte: Carta Capital):
http://www.cartacapital.com.br/politica/os-homens-de-cunha-no-governo-temer

O maior doador do Ministro da Saúde é sócio de gigante dos planos de saúde (fonte: Revista Época):

Novo líder do Governo é citado na Lava a jato e suspeito de tentativa de homicídio (fonte: Congresso em Foco):
http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/novo-lider-do-governo-e-suspeito-de-tentativa-de-homicidio/


De ‘rei da soja’ a condenado por desvio de merenda: conheça os ministros de Temer (fonte: BBC):
http://www.bbc.com/portuguese/brasil/2016/05/160509_ministros_temer_if_rm

Temer e mais 7 Ministros envolvidos na Lava a Jato (fonte: Carta Capital):
http://www.cartacapital.com.br/politica/alem-de-temer-sete-ministros-estao-envolvidos-na-lava-jato

Ministros do Temer são alvo de investigações além da Lava a jato (fonte: Folha de São Paulo):
http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/05/1772725-ministros-do-governo-temer-sao-alvo-de-investigacoes-alem-da-lava-jato.shtml



         Sobre os sinais dos primeiros dias de Governo:


Como retroceder 30 anos em 7 dias (fonte: Folha de São Paulo – excelente texto de Guilherme Boulos):
http://m.folha.uol.com.br/colunas/guilhermeboulos/2016/05/1772809-como-retroceder-30-anos-em-7-dias.shtml?mobile



E, finalmente, se você é um dos que acreditam que o problema do déficit do Brasil é resultado das políticas sociais, sugiro que pesquise sobre o valor gasto nesses benefícios e compare com o valor em dinheiro não declarado por brasileiros que se encontra em paraísos fiscais no exterior, ou compare com o valor pago anualmente a banqueiros e especuladores financeiros a título de juros da dívida pública (superávit primário), sem que esses produzam uma única palha. Essas pessoas certamente não serão incomodadas pelo Governo Temer. Talvez nessa pesquisa você possa encontrar alguma relação entre esses assuntos e o engajamento dos bilionários donos dos grandes canais de mídia brasileiros no processo de impeachment.




Eu sei que pode parecer difícil, mas coloque a mão na consciência e não comemore esse gol impedido.

segunda-feira, 18 de abril de 2016

VIVA O BRASIL!!! LIVRE DA CORRUPÇÃO.





Não gosto de ler livros de história, são muito chatos. Prefiro me informar pelas redes sociais. E, pelas informações que consegui nas mesmas, cheguei à conclusão que a corrupção no Brasil nasceu em 1980, com a fundação do Partido dos Trabalhadores, e só começou a ser efetivamente “aplicada” em 2002, após a eleição do Presidente Lula.

Entretanto, depois da votação de ontem no Congresso Nacional admitindo o processo de impeachment contra a Presidente Dilma, contando com primorosas argumentações jurídicas e alto nível argumentativo de praticamente todos os Deputados, o Brasil está a um passo de voltar a ser o país justo, igualitário e progressista que sempre foi, e o mais importante: novamente livre da corrupção.

Parabéns a todos os responsáveis por essa conquista. Parabéns aos políticos que encabeçaram esse processo, pessoas íntegras e honestas como Ronaldo Caiado, Aécio Neves, Paulinho da Força, Aloysio Nunes, Agripino Maia, José Serra dentre tantos outros. Parabéns aos integrantes das bancadas do agronegócio, evangélica e a todos os demais símbolos da honestidade e dos bons costumes do povo brasileiro.

Parabéns aos delegados e juízes imparciais que mostraram que toda a corrupção do país está ligada a apenas um único governo e que a justiça pode ser rápida e implacável contra todos que se aproximarem de um determinado grupo político que um dia se atreveu a dar migalhas para os excluídos, apesar de continuar lenta e ineficiente contra os demais.

Parabéns a todas as instituições que se mantiveram fiéis à sua história e, assim como apoiaram o golpe militar de 1964, que torturou, matou e exilou tantos brasileiros, novamente apoiaram, patrocinaram e incentivaram mais essa ruptura institucional, rasgando mais uma vez a Constituição em pleno ano de 2016. Dentre essas instituições, podemos destacar a FIESP, OAB e todos os veículos das grandes empresas de mídia brasileiras, com seus bilionários donos que realmente se importam com o povo brasileiro e com o futuro das pessoas, sempre colocando o bem comum acima de seus interesses pessoais. Parabéns ainda a todas as demais empresas e a todos os sempre solidários empresários brasileiros que de alguma forma patrocinaram esse processo limpo, transparente e espontâneo do impeachment. Qualquer semelhança com 1964 é mera coincidência.

Parabéns ainda a toda a classe de artistas e grandes intelectuais como Alexandre Frota, Danilo Gentili e Susana Vieira, que sempre esbanjaram conhecimento e lideraram seus seguidores com sapiência e cultura peculiares.

E, principalmente, parabéns a todos os brasileiros que atenderam ao chamado da Rede Globo de Televisão e saíram às ruas para protestar contra a corrupção (ao menos a parte da corrupção que interessou no momento), vestindo cada um sua camisa com o brasão da Confederação Brasileira de Futebol, outra instituição que tanto nos orgulha.

Parabéns Brasil!!! Finalmente estamos livres da corrupção. Lógico, desde que desconsideremos alguns pequenos detalhes, quase insignificantes, mas que mesmo assim citarei:

- O novo Presidente da República será Michel Temer, uma velha raposa política do PMDB, citado nas delações da Operação Lava a Jato e diretamente ligado a políticos envolvidos em diversos casos de corrupção. Se quiserem conhecer melhor o nosso provável futuro presidente, sugiro esse vídeo bem-humorado e interessantíssimo de Gregório Duvivier (https://www.facebook.com/precisamosfalarsobretemer/videos/1238955966122319/) ou então as palavras do Professor e historiador Juremir Machado no breve e direto artigo a seguir: http://www.correiodopovo.com.br/blogs/juremirmachado/?p=8510.

- O novo Vice-Presidente da República passará a ser automaticamente o Sr. Eduardo Cunha, o qual dispensa apresentações, provavelmente seja um dos maiores corruptos da história da República do Brasil. Está desde 1989, quando participou do esquema PC Farias, envolvido em todo o tipo de fraude, corrupção, desvio de verba pública, enriquecimento ilícito e recebimento de propinas. Só no último caso investigado, que se tornou público há alguns dias, são mais de 50 milhões de reais recebidos ilicitamente através de propina. Após o afastamento da Presidente Dilma, em caso de qualquer viagem de Michel Temer, quem assumirá a Presidência da República será o Sr. Eduardo Cunha, contra quem a Justiça sempre se mostrou lenta e ineficaz, e a mídia brasileira sempre se mostrou absolutamente conivente.

- Além disso, segundo a organização “Transparência Brasil”, dos 65 membros da comissão especial que analisou o processo de impeachment, 37 enfrentam acusações de corrupção ou outros crimes graves, conforme citou o jornal Americano “Los Angeles Times”, que ainda acrescentou: "Cinco membros da comissão são acusados de lavagem de dinheiro, outros 6 de conspiração e 19 são investigados por irregularidades nas contas; 33 são acusados ou de corrupção ou de improbidade administrativa; ao todo, 37 membros foram acusados, alguns deles de crimes múltiplos". Entre os membros dessa comissão, podemos citar figuras ilustres como o Deputado Paulo Maluf, condenado em outros países, que sequer pode sair do país para não ser preso, mas que aqui dentro do Brasil também conta com a total conivência, lentidão e benevolência da justiça.

Essa mesma publicação ainda cita que dentre os 513 deputados da Câmara, 303 são investigados por algum crime. No Senado, 49 dos 81 senadores estão envolvidos em investigações.

Analisando esses dados, me parece que praticamente ninguém presta na política brasileira, todos são corruptos e bandidos, certo?

Bom, segundo o jornal norte-americano “The New York Times”, há uma importante figura política brasileira contra quem não há uma denúncia sequer: http://www.revistaforum.com.br/2016/04/13/new-york-times-dilma-e-uma-das-raras-figuras-politicas-nao-acusadas-de-enriquecimento-ilicito/ , mas infelizmente essa figura política parece estar de saída.

 



Para terminar, vou deixar alguns “bônus track”:

Publicação Norte-Americana “Forbes” analisa que investigações de corrupção serão interrompidas em um governo Temer: http://www.pragmatismopolitico.com.br/2016/04/forbes-investigacoes-de-corrupcao-vao-acabar-no-brasil-se-dilma-for-afastada.html

O jornalista Fernando Brito mostra que o acerto já começou, Cunha absolvido na Câmara e o Juiz Moro já fala em encerrar a Lava a jato: http://www.tijolaco.com.br/blog/o-acerto-comecou-cunha-absolvido-na-camara-moro-fala-em-encerrar-lava-jato/


Vários jornais importantes ao redor do mundo denunciaram o processo de impeachment no Brasil como golpe: http://cartamaior.com.br/?/Editoria/Midia/Imprensa-internacional-denuncia-o-golpe-no-Brasil/12/35784

Imprensa europeia trata da votação do impeachment no Brasil como a insurreição dos hipócritas: http://jornalggn.com.br/noticia/imprensa-europeia-chama-votacao-de-impeachment-de-insurreicao-de-hipocritas

Luis Fernando Veríssimo afirma que crise política é a elite destruindo a ameaça a seu poder: http://jornalggn.com.br/noticia/crise-politica-e-a-elite-destruindo-a-ameaca-ao-poder-por-luis-fernando-verissimo

Vou parar por aqui porque considero que isso já é o máximo que um estômago humano pode aguentar, mas vou terminar o texto deixando duas perguntas no ar:

- Por que que o enfoque da grande mídia brasileira sobre todo esse processo é tão diferente do enfoque da mídia internacional?

E, vou repetir uma pergunta que consta no artigo do Professor Juremir que citei lá no início deste texto:


“- Por que será que a maioria dos intelectuais é contra o impeachment e o chama de golpe?
Será que estudar muito atrapalha o raciocínio?
Ou permite enxergar por trás das aparências? ”



sábado, 9 de abril de 2016

A inevitável queda da Rede Globo – PARTE 3: A vocação RACISTA

Continuando os textos anteriores, onde mostrei a queda de audiência da TV Globo ano após ano (http://www.francamente1909.blogspot.com.br/2016/02/a-inevitavel-queda-darede-globo-ha-anos.html) e a manipulação grosseira e destrutiva visando atender aos interesses de seus donos (http://www.francamente1909.blogspot.com.br/2016/03/a-inevitavel-queda-da-rede-globo-parte-2.html), vou tentar mostrar o racismo por trás da filosofia da emissora.

Talvez seus donos e diretores não odeiem negros, ao menos não direta e abertamente, mas o racismo é inerente a uma rede de televisão monopolista, criada pela ditadura para manter os privilégios da elite brasileira e defender a qualquer custo o “status quo” da nossa sociedade, o que faz de maneira eficiente e criminosa até os dias atuais.

Exatamente por isso, ao longo da história, a emissora sempre teve em seu quadro alguns jornalistas “especiais” preparados para atacar qualquer mínimo senso de autoestima da população pobre e negra do Brasil, sempre exaltando a superioridade de alguns cidadãos sobre outros.

Por exemplo, um dos jornalistas mais “importantes” da TV Globo ao longo de muitos anos foi O Sr. Paulo Francis, um sujeito que proferiu frases bizarras como “A descoberta do clarinete por Mozart foi uma contribuição maior do que toda a África nos deu até hoje”. Certa vez escreveu que o ex-Presidente Collor (amplamente apoiado pela TV Globo, como citei no texto anterior) era “alto, bonito, branco, ocidental”, e que por possuir tais “virtudes”, teria grandes chances nas negociações com banqueiros e chefes de Estado. Enfim, poderia ficar horas citando bizarrices como essas, mas para quem quiser saber mais sobre Paulo Francis, deixo aqui uma crônica de João Soares Neto publicada no Diário do Nordeste (http://www.joaosoaresneto.com.br/artigo.asp?id=333) e também a seguinte crônica de Nirlando Beirão (http://brasileiros.com.br/2010/03/paulo-francis-o-homem-bomba/).

Hoje esse papel de difundir o preconceito e aniquilar a autoestima da população negra e pobre cabe a “jornalistas” como o Sr. Alexandre Garcia. Poderia citar milhares de anomalias grosseiras e preconceituosas proferidas por esse cidadão, mas vou me ater a um caso recente em que disse que os alunos cotistas não possuíam méritos e “entraram pelos fundos” da universidade, ignorando completamente o fato de que a competição no Brasil sempre foi absolutamente desigual e a grande maioria das vagas nas universidades sempre foram reservadas para pessoas de classes média e alta, as quais sempre tiveram totais condições de preparação, um sistema absolutamente excludente e, obviamente, que mantinha o “status quo” que citei anteriormente.

Por isso que o próprio Alexandre Garcia fala besteiras do tipo “o Brasil não era racista até criarem as cotas”, pois quer que as pessoas acreditem na bobagem de que todos sempre tiveram a mesma oportunidade, porque a Rede Globo abomina qualquer mudança nesse sistema, por isso que sempre será contra toda medida que inclua pessoas e diminua a grotesca desigualdade e vulnerabilidade sociais do Brasil.

Ora, se todos sempre tiveram as mesmas oportunidades e nunca houve racismo no Brasil, por que raramente vemos médicos e juízes negros? Por que a imensa maioria da população negra está “largada” nas periferias das cidades? Mas nesse caso específico, gostaria que todos realmente ouvissem a resposta da professora Flávia Helen ao dito jornalista. Foi primorosa, vale muito a pena assistir. O vídeo encontra-se no seguinte link: http://www.tijolaco.com.br/blog/alexandre-garcia-e-professora-que-lhe-deu-uma-licao/.

Para finalizar esse assunto, vou mostrar apenas o mais recente dos estudos que mostram que os alunos cotistas têm desempenho igual ou superior aos demais. Esse estudo a seguir é na UFMG, mas podem buscar no Google que acharão muito mais: http://www.em.com.br/app/noticia/especiais/educacao/2015/05/01/internas_educacao,643018/desempenho-de-cotistas-na-ufmg-e-igual-ou-superior-aos-demais-alunos.shtml.


Obviamente não é só o jornalismo da Globo que é racista, toda a emissora tem o racismo no seu DNA. O jornalista Paulo Henrique Amorim cita em seu livro intitulado “O Quarto Poder” que o Sr. Roberto Marinho sempre deixou claro que não poderiam aparecer pessoas pretas, pobres e desdentadas no Jornal Nacional.

Não precisaria nem citar, porque é absurdamente flagrante que a distribuição de atores nas novelas e filmes da emissora é completamente diferente da proporção de raças da sociedade brasileira. No Brasil, mais da metade da população é formada por negros ou pardos, entretanto, na teledramaturgia da TV Globo, a gigantesca maioria dos atores são brancos e com o mesmo padrão de “beleza” que querem impor à sociedade brasileira.
Acham exagero? Então vejam a foto do concurso para bailarina do Faustão em 2013. No anúncio feito pelo site da própria emissora está escrito: "O concurso 'Bailarina do Faustão' tem mostrado a diversidade da beleza da mulher brasileira. Gatas para todos os gostos".








Chega a ser patético. Alguém consegue ver alguma diversidade nessa foto? Se conseguir, favor me mostrar aonde está, porque eu, sinceramente, enxergo apenas o mesmo padrão. Mais sobre esse “concurso” aqui, reportado pela Rede BBC: http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/07/150714_salasocial_faustao_diversidade_rs.

E por que os atores negros não boicotam a emissora? Bom, isso é óbvio e é exatamente um dos problemas do vergonhoso monopólio de comunicação do Brasil, eles simplesmente não têm opções. Para quem se interessar, tem um ótimo artigo do jornalista Marcos Sacramento sobre isso: http://www.folhadedourados.com.br/noticias/brasil-mundo/por-que-nenhum-ator-negro-brasileiro-jamais-fara-boicote-a-rede-globo.

Então não há espaço para mulheres negras na emissora, certo? Bom, aí tem um capítulo especial dessa história: a “mulata” globeleza. A mulata símbolo das transmissões do carnaval da Globo é uma mulher negra que representa a sexualidade do Carnaval. Como sabemos, essa sexualidade está relacionada ao sexo considerado “promíscuo”; ou seja, a mulher negra é associada a um objeto sexual descartável, sem que possua qualquer valor fora desse papel. Essa é uma mentalidade racista que existe desde os tempos de escravidão, quando mulheres negras escravizadas eram estupradas por homens brancos, que mantinham seus casamentos com mulheres brancas, mas usavam as negras de forma abusiva e violenta. A Globo está ainda no tempo da escravidão, embutindo essas ideias diariamente e em doses homeopáticas na nossa mente.

Mas o incrível mesmo é que a Globo é tão racista que mesmo a “mulata globeleza” pode ser considerada por eles como “negra demais”. Foi o que aconteceu com a dançarina Nayara Justino, selecionada por votação popular através de um concurso para ser a globeleza de 2014. Entretanto, após a colocação da vinheta do carnaval no ar, a dançarina sofreu rejeição de alguns doentes racistas, especialmente através de redes sociais, por ser “muito negra” e não se enquadrar no padrão “mulata”, além disso, foi absurdamente ofendida com todos os termos pejorativos e depreciativos que podemos imaginar. Incrivelmente, ao invés de defender sua contratada, a emissora prontamente a escondeu de toda a programação e, em 2015, encerrou o contrato com a Nayara e escolheu uma mulher que não fosse “tão negra” para assumir a função, obviamente, dessa vez, sem a votação popular. Esse episódio mostrou duas características absolutamente claras e históricas da emissora: o racismo e a total incompatibilidade da Rede Globo com a democracia. Acha que essa história é forte demais para ser verdade? Então assista à reportagem do jornal inglês “The Guardian” sobre o assunto: http://www.theguardian.com/news/video/2016/feb/09/brazilian-carnival-queen-too-black-nayara-justino-video?CMP=share_btn_gp. Ou ainda o ótimo artigo de Jarid Arraes na revista Fórum: http://www.revistaforum.com.br/2015/01/15/racismo-gente-ve-na-globo/.

Eu poderia citar muitos casos ainda, de como a TV Globo deturpa a história em seu jornalismo ou suas novelas, ou como a programação é recheada de estereótipos racistas em novelas ou programas de humor sem qualquer graça, mas para não me alongar muito, vou deixar apenas alguns links para quem se interessar e quiser ler um pouco mais sobre o assunto.

Racismo no quadro de “humor” no Fantástico que fala sobre a abolição da escravidão:

Deturpação da história na novela Sinhá Moça:

Estereótipos Racistas:


Em resumo, a rede Globo é uma emissora atuando em 2016, mas com o espírito ainda no tempo da escravidão. Se depender dos donos bilionários da emissora, nada nunca mudará no Brasil, seremos sempre um povo excludente, desigual, injusto e racista, onde as mulheres brancas serão sempre consideradas como padrão de beleza e as mulheres negras sempre servirão apenas para mostrar a bunda na televisão. Uma sociedade onde os brancos terão sempre acesso à educação e serviços de qualidade e os negros permanecerão nas periferias, sem estudo, prestando serviços aos primeiros. Onde qualquer prática política ou social que vise atacar problemas de desigualdade e que promova a inclusão social, política ou cultural será duramente atacada e, se possível, exterminada pela emissora e por seus parceiros.

Por isso, prestem sempre atenção quando a Rede Globo elege um inimigo público (políticos, membros da sociedade civil, movimentos sociais...), porque às vezes os interesses dos donos da emissora são muito pouco nobres e a programação da mesma visa apenas atender a esses interesses, mantendo sempre os privilégios de poucos e atacando duramente quem ouse contrariá-los.

Vou citar ainda como a Globo influenciou, manipulou e prejudicou o futebol brasileiro, ganhando fortunas às custas de acordos e esquemas nada convencionais, mas isso é assunto para um próximo texto.

NÃO SEJA CONIVENTE COM A DISCRIMINAÇÃO E COM O PRECONCEITO, DESLIGUE DESSE CANAL.